Caio Fernando Abreu só pensa em escrever.


Sinto uma certa urgência. Isto é porque nos sentimos o tempo todo muito imortais. 

Só no momento em que se passa por uma situação limite 
é que a gente se dá conta que a vida é breve. 
Aí você acorda: Há coisas para fazer. 
Me lembro do Cazuza quando disse: 

"Eu vi a cara da morte e ela estava viva".


(Caio concedeu ao Jornal da Tarde, de São Paulo. A entrevista com o titulo acima, conduzida pelo jornalista Walmaro Paz, e publicada em 11 de outubro de 1994, e eu nem pensava em nascer).

2 comentários:

Rovênia disse...

Fantástico vc tão nova já ter descoberto o talento do Caio. Bela juventude! :)

Tallita Monteiro disse...

Profundo como tudo que C.A.F escreve...

bjsss flor