Acredite: O melhor ainda está por vir.

  Já coloquei a música que me fazia mal e fechei os olhos, lembrando de tudo aquilo que estava me corroendo. Só pra chorar, na esperança de tudo aquilo passar. 
                                                  Passou. Mas logo voltou. 
                                                 Não fiz a mesma coisa. 

                 Já coloquei a música que me fazia sorrir, fechei os olhos e pensei:
                                                O melhor ainda está por vir. 
                                                      E tudo já passou. 

O que eu precisava agora?

De um daqueles seus abraços - um não, vários-
que me sufocam de tudo. 
que me protege de tudo. 

Logo após a chuva, vem o sol.

    E talvez seja apenas mais uma tempestade que eu tenha que enfrentar ou talvez seja uma chuva passageira, que como todas as outras.. Passa. E logo após ela, se abre o sol. Mas eu tenho medo. Há tempestade que leva tantas coisas de nós, tanta gente, tantos sorrisos. E há chuvas que apesar de serem passageiras, acumulam tantas coisas dentro de uma gota só. Ai eu lembro da música do Chico:

  "Meu pote está até aqui de mágoas, 
e qualquer gota, pode ser a gota d'aqua"


                                         Então que tudo isso passe logo. 

que seja doce.

   Só me diz se é o que você sempre quis, e se isso vai te fazer pensar. Pode até ser que sua fixa caiu primeiro que a minha nisso tudo, então você entende como eu me sinto agora.  E pra você desejo sorte, e que alguém te faça ver que tudo pode ser tão diferente, e que você consiga mudar e ver que o que queria não vale a pena.. Mas se você quiser voltar, eu estarei aqui. Pois eu quero ser.

E veja bem, faça o que quiser fazer, 
pois não posso te prender
se te ensinei a libertar. 

"(...) quis beber mais para chorar baixinho repetindo: "eu não mereço, eu não mereço" não me deram chance alguma de dizer que a culpa não foi minha, mas é sempre a mesma solidão, eu mesma tendo que me levantar,  mas eu devia estar acostumada, eu só queria sorrisos, abraços, alegrias e são tão simples, muitas vezes."


( Pela Noite - Triângulo das Águas)


tempo que ia mudar..


Quanto a nós, meio gauches, meio bandidos, dinossauros sobreviventes daquele tempo em que tudo parecia que ia mudar – não resta muito mais a fazer senão resistir. Movidos, no mínimo, pela curiosidade de onde vai dar tudo isso. E sempre se pode cantarolar baixinho aquele velho blues (Milagres) de Cazuza, que diz assim: 
“Mas que tempo mais vagabundo é esse que escolheram pra gente viver?


( OESP – Caderno 2 – 20 janeiro de 1988)

Vai passar, tu sabes que vai passar.

      Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está ai, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada "impulso vital". Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como "estou contente outra vez". Ou simplesmente "continuo", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.


                                                           Vai Passar

eu espero.



Volta que eu te cuido e não te deixo morrer nunca.

O destino desfolhou - Os dragões Não conhecem o paraíso